Brilhas no meio das trevas

«Pede à Santíssima Virgem que seja a tua guia, que seja a estrela, o farol que brilh...

Amor infinito

«Senhor Jesus, que quiseste revelar-nos o amor infinito do Pai e consolar-nos com palavras de...

Um Connosco

 

Ele fez-se um de ns,
e mais ainda,
fez-se um connosco.

Santa Teresa Benedita da Cruz, Obras

Hoje, venho adorar-Te,
Jesus Menino,
No prespio que construste em cada irmo.
No silncio da orao,
Vou de prespio em prespio e
Olho cada um no corao,
Procurando encontrar-Te a.

Vejo, que olhar-Te escondido
Na pessoa do irmo,
Antes de Te adorar,
Faz-me pedir-Te perdo
Perdo, por tantas vezes no Te reconhecer;
Perdo, por tantas vezes no Te compreender;
Perdo, por tantas vezes no Te acolher.

Olhar-Te na fragilidade do prespio
que o meu irmo ,
faz-me v-lo com olhos novos,
com os Teus prprios olhos.
Comeo a ver os dons com que O revestiste
A beleza interior que lhe concedeste,
A graa com que o adornaste,
Quando o escolheste para fazer nele
O Teu prespio.

Divino Menino
Ajuda-me a fixar o meu olhar
No corao de cada irmo,
Onde Tu habitas,
Para que o possa ver sempre
Com os Teus prprios olhos,
E assim ser Natal!

Detalhe de mosaico de Marko Rupnik, SJ | sc. XXI

2014-01-05