No diálogo silencioso do coração

«Na vida oculta e silenciosa realiza-se a obra da Redenção. No diálogo silencioso do coraç...

Deus é a minha morada

«Deus é a minha morada, o meu Templo, a vida da minha vida e o Ser do meu ser, sem Ele nã...

Esquecer-se a si mesmo por Ele.

 

«Ele tem uma tal sede
de nos associar a tudo o que Ele é,
de nos transformar n’Ele.
Minha irmãzinha,
acordemos a nossa fé,
pensemos que Ele está aí, no íntimo,
e que Ele nos quer muito fiéis.
Também quando tem vontade de ser impaciente,
ou de dizer uma palavra contra a caridade,
aproxime-se d’Ele,
deixe cair esse ímpeto da natureza
para Lhe agradar.
Quantos atos de abnegação, só d’Ele conhecidos,
temos para Lhe oferecer!
Não os percamos, minha irmãzinha.
Parece-me que os santos
são as almas que se esquecem de si todo o tempo,
que se perdem de tal maneira n’Aquele que amam,
sem retornarem a si,
sem olhar para a criatura,
que podem dizer com São Paulo:
“Já não sou eu que vivo,
é Jesus Cristo que vive em mim!”».

Santa Isabel da Trindade | 1880 - 1906
Carta 179. A Germana de Gemeaux. 1903

Senhor,
a santidade consiste
em esquecer-me inteiramente de mim,
pondo os olhos permanentemente em Ti
e procurar em tudo agradar-Te, m
esmo que isso não me agrade à natureza.
Quanta abnegação e amor são necessários!
Senhor, estou muito longe das loucuras
que por Ti fizeram os santos,
mas peço-Te ao menos grandes desejos:
desejos de Te amar sem condições.
Posso não ser grande nas obras,
mas quereria ser grande nos desejos,
pois dos desejos nascem as obras.
Senhor, dá-me um coração magnânimo
que não se canse de fazer o bem,
e capaz de perdoar sempre todo o mal.
Estes são os meus desejos, senhor.
Fecundai-os em obras, Te peço.
Assim seja.

2017-11-08