No diálogo silencioso do coração

«Na vida oculta e silenciosa realiza-se a obra da Redenção. No diálogo silencioso do coraç...

Deus é a minha morada

«Deus é a minha morada, o meu Templo, a vida da minha vida e o Ser do meu ser, sem Ele nã...

Vivo sem viver em mim

 

«Vivo sem viver em mim,
E tão alta vida espero,
Que morro porque não morro.

Ai, que vida tão amarga
Por não gozar o Senhor!
Pois sendo doce o amor,
Não o é, a espera larga;
Tira-me, ó Deus, este fardo
Tão pesado e tão amargo,
Que morro porque não morro.

Só com esta confiança
Vivo porque hei de morrer.
Porque morrendo, o viver
Me assegura a esperança;
Morte do viver s’alcança;
Vem depressa em meu socorro,
Que morro porque não morro.

Olha que o amor é forte;
Vida, não sejas molesta,
Olha que apenas te resta
Para ganhar-te o perder-te;
Vem depressa doce morte
Acolhe-me em teu socorro
Que morro porque não morro.»

Santa Teresa de Jesus | 1515 - 1582
Poesias. 1.

Senhor,
pela Tua Morte alcanço a Vida.
Desejo-a,
e peço-Te que esta Vida
comece já na minha vida,
na medida em que me souber dar a Ti
e aos meus irmãos.
Saiba eu renunciar a mim,
para Te ter a Ti,
à Tua Vida: o Céu na terra.
Assim seja.

2018-03-12