No diálogo silencioso do coração

«Na vida oculta e silenciosa realiza-se a obra da Redenção. No diálogo silencioso do coraç...

Deus é a minha morada

«Deus é a minha morada, o meu Templo, a vida da minha vida e o Ser do meu ser, sem Ele nã...

O amor de Cristo não conhece limites

 

«O amor de Cristo não conhece limites,
não acaba nunca,
não retrocede ante a fealdade ou a imundície […]
Cristo veio para resgatar a humanidade
e restitui-la ao Pai».

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein) | 1891 - 1942
Edith Stein, Obras Completas.

Pai,
Abriste-nos o Teu Coração
Ao enviar-nos o Teu Filho unigénito
E o Teu Filho mostrou-nos o Seu Coração,
Quando na Cruz Ele foi aberto
E dele jorraram sangue e água
Para nos lavar do pecado.

O mistério da justificação
É o que sustenta a nossa vida
E nos lança no abismo da vida eterna,
No amoroso do Seio Trinitário.

A justificação não é senão
O amor derramado sobre nós,
Este amor que nos faz olhar
A nossa vida e a dos irmãos
Com os Teus olhos
E descobrir que na Eucaristia da vida
temos que oferecer cada um dos nossos actos
para que manifestes aí a Tua graça salvadora.

A justificação
É esta abertura
À esperança da Tua acção
Que se chama misericórdia.
É a fé feita luz
Que ilumina o interior da nossa alma
E nos faz encontrar Cristo em nós
Como Eterno Vivente.

A justificação
É Deus de joelhos diante de nós
E nós diante de Deus.
É o Coração do Pai
A dar-nos o Seu Filho
E a fazer-nos fixar morada no
Seu Coração aberto.

Pai,
Eu creio no Amor que me justifica.
E dou-Te graças
Por em mim Ele ser misericórdia.

Na foto: Santa Teresa Benedita de Jesus (Edith Stein) que hoje se celebra.

2018-08-09