«A natureza dava-me o seu ósculo de paz
e anunciava aquela grande calma
que não se encontra senão no seio dos montes solitários.
E enquanto exteriormente a beleza natural da criação chamava a atenção dos sentidos,
outra beleza invisível solicitava os afetos do coração.»

Beato Francisco Palau | 1811 – 1872
As minhas vivências com a Igreja, 21, 6

Jesus,
deixaste-nos a Bíblia para Te conhecermos e amarmos.
E deixaste-nos outro grande Livro para o mesmo fim,
que é o Livro da Natureza.
Este Livro ensina em consonância com as Escrituras,
de tal forma que um bom leitor da Tua Palavra é um bom “leitor” da natureza
e nela encontra rastos de Deus:
a Sua beleza, os Seus mistérios, a Sua grandeza e também a Sua pequenez e humildade…
Jesus, conserva no meu coração a capacidade de me maravilhar com a beleza
Com que enfeitastes as montanhas e as praias,
a brisa fresca da manhã ondulando delicadamente miríades de folhas
em sonora melodia de paz as flores, sorriso de Deus,
o belíssimo entardecer…
e a beleza de uma criança…
do ser humano criado à Tua imagem… como cume de toda a Criação.
Tudo fala à minha alma se me dispuser a “ler” e a “escutar.
Assim seja.