«Quero ser indiferente a tudo
menos a Deus e à minha alma.

Entreguei-me a Ele,
É impossível dizer tudo o que quero.
O meu pensamento não se ocupa senão d’Ele.
É o meu ideal. É um ideal infinito.

Suspiro pelo dia de me ocupar só d’Ele,
Para me fundir n’Ele
E para viver a vida d’Ele.

Oh, amo-O tanto!
Queria inflamar-te nesse amor.
Que dita a minha se te pudesse dar a Ele!
Oh, nunca tenho necessidade de nada,
Porque em Jesus tenho tudo o que procuro.

Ele jamais me abandona.
Jamais o seu amor diminui.
É tão puro. É tão belo.
É a própria Bondade».

Santa Teresa dos Andes | 1900 – 1920
Cartas