«”A minha alma está sempre nas minhas mãos.”
Eis o que se entoava na alma do meu Mestre,
eis também porque entre todas as angústias
Ele sempre permanecia o Calmo e o Forte.
A minha alma está sempre nas minhas mãos!…
Que quer [isto] dizer,
senão esse pleno domínio de si na presença do Pacífico?
Há ainda um outro cântico de Cristo
que eu quereria repetir sem cessar:
“Para vós guardarei a minha força”…
A minha Regra diz-me:
“No silêncio encontrareis a vossa força.”
Parece-me pois que, guardar a sua força para o Senhor,
é realizar a unidade em todo o seu ser
pelo silêncio interior,
é reunir todas as suas potências
para as “ocupar” “no exclusivo exercício, do amor”;
é ter esse “olho simples”
que permite à luz de Deus iluminar-nos.»

Santa Isabel da Trindade | 1880 – 1906
Último Retiro. 3

Jesus,
ajuda-me a esforçar-me,
na minha grande inaptidão,
para andar unido a Ti
por pensamentos, palavras e ações.
Que o Teu pensamento aflore ao meu espírito
de tempos a tempos,
mesmo que seja pelo espaço de um relâmpago.
Sem me dar conta viverei em Ti
e serei transmissor da tua Presença
para os meus irmãos.
Assim seja.